sábado, 6 de novembro de 2010

Esquenta para o especial estilos


Oi connectors! Nós do CP estamos preparando para vocês um especial sobre estilos! E eu vou logo fazendo um esquenta para a próxima semana. Curtam:

Cazuza

Nasceu em 4 de abril de 1958, destinado a mudar o cenário musical do Brasil para sempre anos depois. Nascido Cazuza mas oficialmente Agenor, por insistência de sua avó, recebeu esse apelido antes mesmo de nascer e poucas pessoas sabiam qual seu nome. Nem ele mesmo. Na infância não sabia que ele era Agenor, e não respondia a chamada na escola, porque só naquela hora não o chamavam de Cazuza.
Devido a profissão de seu pai cresceu em volta dos maiores nomes da Música Popular Brasileira, como Caetano Veloso,Elis Regina, Gal Costa, Gilberto Gil e João Gilberto. Era filho de João Araújo, produtor musical fundador e presidente da Som Livre, mas só em uma viagem a Europa no começo da década de 70 conheceu o rock de Led Zeppelin e Rolling Stones, do qual tornou-se grande fã.
Pouco tempo depois, seu pai arranjou um jeito de incentiva-lo a estudar, prometeu dar-lhe um carro caso passasse no vestibular. Passou, em comunicação, no ano de 1976 mas desistiu do curso. Começou a frequentar o baixo Leblon, e teve naquela época uma vida boêmia. Até que seu pai empregou-o na Som Livre.
Porém em 1979 vai para os EUA, fazer um curso de fotografia, onde conhece os “poetas malditos”. Em 1980 volta ao Rio e entegra um grupo teatral, e canta em público pela primeira vez. Nesse mesmo ano Léo Jaime é convidado a cantar em uma banda que mais tarde viria a ser o Barão vermelho, porém não aceitou e indicou Cazuza ao posto.
Conseguem então o apoio de um produtor, do diretor artístico, e, mais tarde, do pai de Cazuza para gravar com a banda na Som livre. Gravado em apenas 2 dias o disco “Barão Vermelho” vendeu apenas 7 mil cópias mesmo elogiado pela crítica. Depois, com um disco mais bem produzido vendeu 15 mil cópias. Porém a má fama da banda só acabou quando Ney Matogrosso cantou “Pro dia nascer feliz”, e logo depois a banda foi chamada para gravar “Bete Balanço”, tema do filme homônimo.
Porém deixou a banda em julho 1985 para ter mais liberdade em carreira solo e começa a ter febres frequentes em decorrência da AIDS, ainda desconhecida por ele.
Em agosto desse mesmo ano tem uma pneumonia e é internado para trata-la. Cazuza exige então fazer um teste de HIV, que tem resultado negativo. Em 1987 tem uma outra pneumonia. Um novo teste é feito e a AIDS é confirmada.
Depois de sucessos e mais sucessos em outubro de 1989 cazuza vai para Boston e lá fica enternado até março de 1990, quando volta para o Brasil. Morre no dia 7 de julho do mesmo ano e em seu enterro, com caixão lacrado, comparecem cerca de mil pessoas.
Dados da wikipédia:
Em apenas nove anos de carreira, Cazuza deixou 126 canções gravadas, 78 inéditas e 34 para outros intérpretes.
Em 2004 foi lançado “Cazuza – O tempo não pára”, que teve Daniel de Oliveira no papel principal.
Agora, depois de contada a história dele curtam o som dele:


Desculpem o post atrasado gente, problema de comunicação com a Jessy. Ah, comentem MUITO! Responderei todos.

1 comentários:

Naty Figueirêdo disse...

Hummm adoroo Cazuza..
Claro que a vida dele, não foi a das mais corretas, mas cada um tem o direito de escolher.. Amooo suas musicas e seu estilo era mesmo único!!

Bjuzzzz.
complementto.blogspot.com

Postar um comentário

Sua opinião é sempre bem vinda, sinta-se livre para expor ela.

 
Layout por Cínthia | Powered by Blogger
Sweet and Dark Copyright 2013 - Todos os direitos reservados